O Semanário de Trás-os-Montes e por excelência da Região Demarcada do Douro
Notícias do Douro Notícias do Douro
Notícias do Douro
[ Colaboradores ][ A História do Jornal ][ Pesquisa ][ Assinaturas ][ Publicidade ][ Ficha Técnica ]
Edição de 22-09-2017
Pesquisa
Livro
Alto Douro Vinhateiro Alto Douro Vinhateiro Versão Inglesa
 

Arquivo: Edição de 23-03-2012

SECÇÃO: Opinião

S.O.S. IDOSOS

(O número impressionante de óbitos de idosos em Fevereiro, não mente: os nossos idosos estão a morrer vítimas de homicídio por negligência.
Negligência, em primeiro lugar, dos filhos e parentes que os abandonam, depois do Estado que lhes nega a assistência médica e a subsistência, e por fim da insensível EDP a quem não podem pagar a conta do aquecimento)

foto
Solidão, frio, falta de medicamentos e fome, são as causas dos índices galopantes de óbitos de idosos em Portugal.
Os números são terríveis: 4.000 portugueses (a grande maioria, idosos) morreram a mais em Fevereiro, relativamente à média dos últimos dez anos. São dados que não adianta escamotear nem sobre eles especular, ou, muito menos, tecer juízos atenuantes com estatísticas abjectas de que a politiquice sempre se serve nestas tragédias onde tem responsabilidade.
Os nossos idosos estão numa situação degradante de abandono, de esquecimento, e estão a ser tratados como seres descartáveis a quem a sociedade parece querer dizer para desaparecerem. Sociedade que se esquece que, numa perspectiva optimista, para lá caminha qualquer um. E a estrada que se começar a construir hoje, vai beneficiar especialmente aqueles que a hão-de usar no futuro.
Mas a questão começa logo pelo abandono a que são votados, com principais e imperdoáveis culpas dos seus filhos e parentes. O hábito do respeito e tratamento dos idosos, tão fortemente cultivada em décadas recentes, está a ser substituído por um arredar de responsabilidades filiais. Por isto ou por aquilo, porque “ai que não posso”, “ai que não tenho condições”, “ai que não tenho tempo”, os filhos enjeitam os pais para fora de casa como quem se livra de um fardo, e, numa primeira oportunidade, depositam-nos no primeiro canto social que encontram. Muitas das vezes, abandonam-nos nos próprios hospitais, anonimamente. Outras, deixam-nos anos a fio na solidão das suas casas, sem os visitar, entregues à solidariedade dos vizinhos (se a houver).
Não façam ares de arrepio que esta é a primeira grande realidade de uma sociedade egoísta que vive para o umbigo e muito pouco para o coração.
Depois, há o Estado, os Governos, insensíveis e criminosamente irresponsáveis, para quem os idosos não passam de números pesados nos Orçamentos de Estado.
Vejam que jeito dá às contas do Governo:
4.000 que faleceram em Fevereiro. A uma média de 300 Euros de reforma cada, mais cerca de 50 Euros de medicamentos, são, feitas as contas, uma poupança para o erário público de 1 milhão e 400 mil Euros por mês!
Ou seja, considerando os índices de inflação, em 10 anos estes idosos que morreram, pagam a última carga de dinheiro que o Estado meteu no BPN!
Estas contas não são minhas, porque a decência e a moral nem me dão lembrança de as fazer, mas sim dos tecnocratas que se instalaram no poder, e para quem tudo são números, lucros e dividendos.
Quanto às condições de degradação da assistência médica, quem o diz não sou eu! Falem com os médicos. Eles lhes dirão o seguinte: muitos idosos não tomam a medicação amiúde nem consoante as prescrições médicas, porque não têm dinheiro para o total dos medicamentos. Outros já nem medicamentos compram, porque têm que optar entre medicarem-se ou comer. Outros têm alimentações não consentâneas com as doenças que possuem nem com a idade, porque a alimentação selectiva é cara, e a boroa com sopa é barata. A debilidade dos idosos por deficiência alimentar, é uma realidade. O abandono ou o aligeiramento das medicações, uma constatação facilmente comprovável.
Recentemente, o problema do transporte de doentes, especialmente nos locais do país mais recônditos, veio agravar a situação. Já nem ao médico vão.
E depois, há o problema do frio. Terrível no litoral, insuportável no interior. Incapazes de pagarem a conta eléctrica que representa um ou dois aquecedores, refugiam-se no calor das lareiras durante o dia.
E de noite? Com os quartos gelados, as diferenças de temperatura, e os vírus a assaltarem-lhe brônquios e pulmões, corações velhos e gastos a não aguentarem com as investidas de pneumonias.
Mas nas cidades, onde não há sequer lenha nem lareiras, resta-lhes o abrigo de cobertores, de dia e noite. Enroscam-se neles no desespero de criarem uma barreira entre o gelo e o corpo.
Os filhos bem que podiam dar uma ajuda. No bairro toda a gente sabe que até podiam. Mas vão lá os filhos prescindir do tabaco, da cerveja, do bilhete para a bola, da jantarada no restaurante!
E a própria EDP, sanguessuga de um país para o qual nunca arranjou solução energética que a obrigava, transformada em ponte de interesses duvidosos e alimentadora de clientelas pouco recomendáveis, e que vive para os lucros colossais que obtém com a nossa exploração, também não quer olhar para o problema.
Toda a gente sacode a mosca para o café do vizinho. A culpa nunca é de ninguém.
E os nossos idosos? Que podem fazer?
Greve?
Fazem-no de vez!
Ao morrer.

Por Francisco Gouveia, Eng.º
gouveiafrancisco@hotmail.com

[Utilidades]
[Outras Notícias]
O Meu Jornal
(C) 2005 Notícias do Douro - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
Design: Notícias do Douro. Email do Jornal: noticias.do.douro@netc.pt