O Semanário de Trás-os-Montes e por excelência da Região Demarcada do Douro
Notícias do Douro Notícias do Douro
Notícias do Douro
[ Inquéritos ][ Fórum ][ Farmácias ][ Futebol ][ Agenda ][ Tempo ][ Pesquisa ][ Assinaturas ][ Publicidade ][ Ficha Técnica ]Subscrever RSS RSS
Edição de 18-04-2014
Pesquisa
Livro
Alto Douro Vinhateiro Alto Douro Vinhateiro Versão Inglesa
 

A Historia do Jornal

 

Foram os irmãos, nascidos na Régua, Dr. Mário de Morais Bernardes Pereira, médico cirurgião e escritor e Camilo de Morais Bernardes Pereira, viticultor, que se abalançaram a editar um jornal semanal para defesa da Região Duriense intitulando-o de Notícias do Douro, cujo primeiro número saiu a 14 de Junho de 1934, tendo como director o Dr. Mário de Morais Bernardes Pereira.

De entre os inúmeros colaboradores que enriqueceram as suas páginas, durante anos, destacam-se os nomes do Major A. Guerra Tenreiro, natural de Freixo de Espada à Cinta, viticultor, Dr. Antas Botelho, de Sabrosa, Conservador do Registo Civil, Fonseca Almeida, viticultor em Cambres, Joaquim Antero Queirós de Sousa, viticultor, todos analisando a situação crítica que então se expandia pela Região Duriense, Inspector da CP António Rodrigues Coutinho, natural de Vilarinho dos Freires, com os seus “Modos de Ver”, Eng.º Civil Serafim Rodrigues do Porto, com as suas apreciadas “Cartas Viciadas”, D. Branca Martinho, reguense estimada sempre pugnando pelos mais necessitados através de artigos denominados “Brigada de Caridade”, Dr. Gusmão de Araújo, Advogado, de Barqueiros, com artigos sobre intelectualidade, Jaime Guedes Castelo Branco, reguense que sem destemor escrevia sobre assuntos referentes à Régua, M. Nogueira Borges, bancário, de Lobrigos, com os seus artigos intitulados “Opinião”, José Correia Saraiva, portuense, gráfico, autor de humorísticos versos, Carlos Amorim da C. Silva, Professor, vitivinicultor, de Alijó, Dr. Luís de Carvalho Oliveira, Advogado, vitivinicultor, de Moimenta da Beira e Eng.º Gomes Pelotas, Eng.º Técnico Agrícola, vitivinicultor.

Infelizmente todos já desaparecidos e a quem o Notícias do Douro muito lhes deve...

Foram seus Directores:

1. Dr. Mário de Morais Bernardes Pereira e

2. Dr. Camilo de Morais Bernardes Pereira,

3. Alfredo Guimarães Baptista,

4. Dr. Agostinho Freire de Lacerda Pizarro,

5. José Nogueira Gomes,

6. Dr. Rui Machado, Médico Radiologista

7. Carlos Cardoso,

8. Jaime Ferraz, Director Interino, e,

9. Dr. Armando Mansilha Rodrigues de Almeida.

O que se foi dizendo, se diz e continua a dizer do Notícias do Douro

Prof. A. Espírito Santo - Numa caminhada longa ao serviço da região duriense, sempre, na primeira fila em defesa dos interesses locais, o Notícias do Douro está, por isso mesmo, em festa, merecendo, de todos, uma grande salva de palmas em dia de aniversário!

Completam-se agora sessenta e cinco anos de existência deste semanário regional, o mesmo é dizer-se que uma vida longa se foi desbobinando ao serviço da região duriense na caminhada do Notícias do Douro sempre em defesa dos interesses locais, merecendo, de todos, uma grande salva de palmas em dia do seu 65º aniversário. Colaborador sempre que fui, desinteressadamente, agarrado à Régua por ditames familiares, vivo este dia de festa integrado no rol dos que, como eu, sem procurar tirar dividendos de qualquer espécie, vão dando o melhor do seu saber, enchendo páginas de assuntos variados na maioria versando essa Princesinha que se mira nas águas do Douro, como mulher vaidosa, artigos de opinião ultimamente virados para a situação da Casa do Douro que traz em sobressalto o coração dos viticultores à espera da melhor saída para uma situação que tem de resolver-se de imediato.

O Notícias, o nosso Notícias, embandeira em arco, e não quer aceitar os versos do poeta quando diz que “é tolice fazer anos” e “melhor seria desfazê-los”. Não é o caso pois o semanário duriense à medida que os anos se amontoam mais e mais, parece, antes, rejuvenescer, melhorando a sua paginação, o seu papel, o seu caderno desportivo.

Há, sim, festa cá na casa, justíssima se atendermos a que tantos anos se deram ao serviço da sua dama, que é a Região do Douro e a Régua! Teremos todos, mas todos, de lhe cantar os Parabéns a Você e bater palmas assustem as águas do rio e façam tremer as pedras da calçada!

Seria ingratidão não citar a plêiade de colaboradores que, semana a semana dão vida ao jornal; seria injusto não referir o trabalho dos homens que o fazem, seria uma falta imperdoável não citar todo o corpo redactorial que se dá, de coração, para que o jornal apareça nas suas casas e nas bancas dos quiosques. Queríamos salientar, sem desprimor para ninguém, note-se, Ilda Pinto Ribeiro essa poetisa que traz na alma o Doiro e o canta em versos de maravilha. Destaque para o Eng.º Francisco Gouveia a debater os problemas de uma Régua melhor, e até de uma região, Manuel Igreja, Teresa Ribeiro Reis, Padre Manuel Teles, Francisco Rocha, António Cabral, José Oliveira Guerra, Barroso da Fonte, Bruno Miguel e tantos outros, todos apostados num fim comum: a Régua, a região duriense! Saibam todos acarinhar este semanário para que possa prolongar, por muitos anos mais, o trabalho a que se remeteu desde a primeira hora: a defesa dos interesses desta dama bonita que se alinda dia a dia, rasgando avenidas, levantando prédios a caminho do céu – a Régua da Senhora do Socorro que, em Agosto, voltará a passar as ruas da cidade.

Estaremos espiritualmente com esta vasta equipa que colabora sem mira de lucros na confecção e organização deste semanário de que os reguenses, de um modo particular e todos os durienses, de um modo geral se devem orgulhar, estaremos a aplaudir os assinantes e anunciantes sem os quais não seria possível a continuação desta obra que, agora, completa 65 anos de vida.

Ilda Pinto Ribeiro …Há eventos que pela sua nobreza na vida duma comunidade, jamais podem ser esquecidos. Por isso as felicitações não cessam de chegar semana a semana ao Notícias do Douro. Como amiga pessoal deste prestigiado semanário duriense, a voz mais antiga e amadurecida da nossa região vinhateira, venho associar-me aos muitos dos seus amigos e colaboradores, para com eles, lhe prestar a devida homenagem, na pessoa do seu eficiente director, Dr. Armando Mansilha. Sexagenário já, mas de espírito vivo, porque nem sempre o espírito envelhece com o perpassar dos anos, mas antes de clarificar, ei-lo a percorrer, não só a nossa região, mas também vários pontos do país e da europa, aonde pulsa o coração de um reguense ou duriense, que o espera como familiar querido, no frenesim de saber notícias do cantinho onde nasceu.

O Notícias do Douro ao longo do seus 65 anos não perdeu qualidade, antes se enobreceu com dias de glória, ainda que sinta a nostalgia de muitas vezes não se ver reconhecido por muitos que promoveu, porque infelizmente, só fora da terra os valores são reconhecidos. Apesar de termos entrado na era da Comunicação visual que se caracteriza pela rapidez de velocidade da transmissão de imagens, apesar de todos os avanços tecnológicos, a comunicação escrita é indispensável para informar, noticiar temas da actualidade e na linguagem do homem é a notícia da actualidade que corresponde a uma informação que pode ser de todos os tipos: - económica, política, desportiva e cultural. E se a comunicação é “quaisquer processo pelo qual uma mente chega a outra mente” no dizer de Waever, o Notícias do Douro tem cumprido o dever de comunicar a verdade com objectividade, não deformando, não manipulando, com o propósito de ser vela acesa ao serviço da comunidade em que está inserido. A sua caminhada tem sido profícua a favor da verdade e da crítica construtiva. O seu prestígio actual vai para quem o dirige com critério e serenidade, mau grado os acidentes de percurso.
Orgulho-me dos êxitos do Notícias do Douro como amiga dedicada, e desejo-lhe, se possível, maiores sucessos no futuro. Nestes meus humildes votos incluo mais uma vez o seu Director, quantos com ele trabalham, os seus distintos colaboradores que não chamo pelo nome com receio de poder esquecer algum. Todos juntos vamos erguer um cálice do nosso néctar duriense e cantar em uníssono “Parabéns a Você”.

Dr. Carlos Tojeiro daFonseca - Os anos passam e a “saga” continua, ao serviço da mente da “Nossa Terra”. Continua uma “Pedra no Charco” da comunicação social regional, continua uma prova viva de que “Quem teima Vence”.

Parabéns Sr. Director pela perseverança que, tem vindo a demonstrar também nesta área, que as potencialidades existem, que prova melhor que os “65 Evolutivos anos” do “Notícias do Douro”?

Constitui tarefa quase Homérica, manter e fazer crescer uma publicação, numa conjuntura difícil para não dizer adversa, e é com emoção que temos vindo a seguir o crescimento desta vossa obra, Dr. Director, que é também de todos os que, regularmente, com ela têm colaborado.

Fazemos votos para que seguindo a linha editorial até agora praticada , o Nosso Notícias do Douro continue a ser o “Porta Voz” privilegiado desta região que tanto necessita de se fazer ouvir.

José Metrolho - Não é fácil um jornal em zonas onde o desenvolvimento sempre esteve esquecido e onde as famílias, na sua maioria, têm problemas financeiros com alguma insolvência e têm uma visa de subsistência.

O Notícias do Douro manteve-se sempre, ao longo dos 65º anos de “idade”, ao serviço deste povo das serras e dos montes dando-lhes semanalmente as notícias mais prementes e de interesse, e também a opinião esclarecida do que era mais óbvio para a região, que não quiseram recentemente criar. Portugal já é uma região de alguém!

Parabéns ao Notícias do Douro e que continue ao serviço dos Durienses, com a independência que tem pautado a sua linha de orientação

Já se disse... o Notícias do Douro vai muito longe e merece!

Conheceu já o N.D. graves crises económicas, e houve tempo em que murchou... Mas, qual enxertia nova, ele aí está pujante, com colaboradores de grande gabarito, de ontem e de hoje, e cuja leitura é indispensável para nos informarmos e, assim, conhecermos o essencial do que acontece, e pode vir a acontecer, nas benditas Terras do Douro.

Fico embevecido com tal vitalidade!

Agradeço a Deus permiti que esta arreigada teimosia de afirmação de personalidade possa ser por mim testemunhada e, se possível, incentivar, todos quantos o posam fazer, a promover este Semanário não se escusando de participar por falsa modéstia ou com pretextos esfarrapados, por comum utilização.

O Douro precisa! A Régua merece!

Mais uma mensagem para o Notícias do Douro de

João Pereira

Mais um ano passado na longa vida deste Jornal merece uma saudação especial. Colaborador há longos anos, sempre encontrei abertura e disponibilidade para os meus artigos. Tive assim possibilidade de fazer uma das coisas que gosto, manifestar a minha opinião, contactar o cidadão amigo, carente de notícias de algum interesse para a sociedade reguense. Faço força para que o Notícias do Douro mantenha a linha de rumo que traçou na defesa dos interesses desta região e que o continue a fazer por muitos anos.

A imprensa continua a ser uma força muito importante.

Manuel Igreja - O Notícias do Douro faz 65 anos. Quase sete décadas, são muito tempo, muitas transformações, muitas vidas. Foram nada mais nada menos que quase três mil e quinhentas edições. Quantas ideias, quantos anseios, nele foram impressos e exprimidos. Quantos grandes homens, quantas grandes mulheres, celebrados alguns, esquecidos outros, com o seu saber nas páginas do Notícias do Douro mostraram quão bela é a arte da escrita. Quantas memórias perduram ainda, graças ao Notícias do Douro. De quantas lutas ele foi activa testemunha, de quantos avanços ele foi impulsionador.

Numa região sempre tão necessitada de quem a defenda, sempre como autêntico paladino, o Notícias do Douro marcou presença como tribuna aberta à discussão e ao diálogo.

Por certo nem sempre foram tempos fáceis. Muito altruísmo, muito sacrifício e muito bem querer foram necessários: Mas vale sempre a pena quando a alma não é pequena, e o Notícias do Douro, a obra nasceu, cresceu, e fortificou-se graças a muitas grandes almas.

Muito sono perdido virou sonho realizado. Muito esforço tem florido em simples e belas páginas transformadas em património comum dos Durienses em geral, e dos Reguenses em particular.

Nos nossos dias, as dificuldades dobram, e as canseiras aumentam. Mas o ânimo não desfalece nem pode desfalecer. Apesar dos hábitos de leitura andarem arredios, e o interesse pelo social tender a esvair-se, a imprensa regional escrita, tem o seu inquestionável lugar. Pode e deve ser o elo de ligação na comunidade, que substituindo um pouco o contacto pessoal cada vez mais difícil, nos entra em casa trazendo notícias e díspares ideias, contribuindo fortemente para que cada um se sinta membro mais ou menos activo de uma comunidade. Nisto, e cá no nosso recanto, o Notícias do Douro teve e tem o seu primordial papel. É imperativo que o continue a ter. Por isso, merece os nossos parabéns. Mas nós também merecemos que ele faça o favor de continuar a estar por aí, forte, bonito e livre. Obrigado Notícias do Douro por existires.

Padre Dr. Jorge Ferreira - No dia 14 de Junho o Notícias do Douro festeja o 65º aniversário da sua publicação. E tem razões de sobra para celebrar esta efeméride.

Qual o órgão da comunicação, regional se bateu com tamanha coragem e denodo pelas “coisas” da nossa região? Sedeado desde o seu nascimento na cidade da Régua, a capital da Região Demarcada dos Vinhos generosos, soube interpretar os anseios de milhares de viticultores e de comerciantes que fazem da sua região o sonho dos seus sonhos. Coincidiu no tempo com a fundação da Casa do Douro, instituição criada pelo Estado Novo, para defesa dos direitos legítimos dos viticultores e da nobreza do vinho generoso.

Um retorno retrospectivo aos tempos de antanho e relendo as suas páginas permite-nos concluir que, ao longo de todos estes anos, o Notícias do Douro primou sempre por saber interpretar o palpitar dos seus leitores, mau grado as vozes críticas dalguns poderes instituídos. Desde há uns tempos a esta parte, assumiu-se pela voz dalguns seus colaboradores como o grande paladino das grandes questões regionais, convidando os representantes políticos e sociais a sentarem-se à mesa e conversarem sobre os magnos problemas que impedem sobre o Douro, sob pena de as suas gentes vedadas aos ventos da modernidade. Urge cerrar fileiras em torno das grandes questões e pôr de parte certos bairrismos infundados que a ninguém aproveitam e cuja manutenção a todos prejudicam. Onde assenta o êxito sócio/cultural e pedagógico do Notícias do Douro que o catapultou para a ribalta do número dos melhores regionais do País?

Um jornal resulta do esforço de toda uma equipa, desde o Director, colaboradores, tipógrafos e seus auxiliares. Por isso os meus parabéns vão direitinhos para o seu Director, Dr. Armando Mansilha, e para todos os seus colaboradores nos serviços redactoriais, tipográficos. É nesta equipa tripartida nas suas diversas funções que está garantido o segredo do nível atingido.

O mundo novo dos audiovisuais é uma realidade cada vez mais envolvente e mais complexa; depois da revolução da imprensa escrita com Gutenberg na difusão do livro e dos jornais e os novos hábitos de leitura e debate de ideias nos clubes e nas famílias nos serões de Inverno; depois da comunicação à distância pelos processos radiotelegráficos de Marconi das ondas curtas, surge a toda poderosa e omnipresente Internet que produz os jornais on line e acelera a universalidade da comunicação ao nível do globo. É a última palavra da comunicação escrita à distância e sua visualização através da imagem visual. Mau grado todos estes avanços tecnológicos no campo da comunicação, nem por isso dispensamos a leitura fácil e a informação veiculada em papel reciclado ou não do jornal diário ou semanal. Em cortejo com a estação radiofónica, televisiva ou cinematográfica, a imprensa escrita continua plena de actualidade como canal informativo indispensável à maneira de estar social do cidadão comum. De preferência à informação massificante e indefinida, quando não despersonalizante dos grandes canais de informação, a imprensa escrita em geral e o jornal regional em particular situa o leitor na terra onde nasceu, no local onde trabalha, no mundo económico e social onde convive e até no café que frequenta para encontro com os amigos. O Notícias do Douro perfaz 65 anos ao serviço da comunidade. Já tem muito que contar aos leitores que, agora, o desfolham com invejável aparato gráfico, na apresentação e na cor a ressaltar no tom amarelo do papel reciclado, rico de conteúdo cultural e informativo, graças a um leque de colaboradores que gostosamente o servem e o enobrecem em colaboração desinteressada e prestigiante. É um Jornal que tem honrado a cidade da Régua e toda a região duriotransmontana, informando semanalmente os seus leitores sem se deixar escorregar para o patamar da subserviência. Não está isento, por vezes, de imperfeições e de lacunas, que nem por isso lhe mancham a auréola de bem servir a comunidade. Na sua função informativa, cultural e crítica nem sempre foi compreendido por parte dalgumas forças sociais, que gostavam de o ver mais conformado com o status quo circunstancial; em certas ocasiões, o ciclo do tempo veio confirmar que certas ideias premonitórias expostas com desassombro nas suas páginas, eram profecias que preveniam para o futuro. Só nesta linha de actuação cultural, hoje que tanto que se fala de necessidade de uma nova cultura nos hábitos e nas mentalidades, entendemos o papel dos órgãos de comunicação.

Nunca como hoje se fez sentir a explosão das tecnologias da informação que dão possibilidades de comunicação entre grupos e indivíduos em todas as partes do mundo, diz Papa na última comunicação ao mundo sobre o papel da Comunicação Social. O Notícias do Douro, dentro do seu âmbito próprio que o localiza a uma região específica, quer também contribuir com a sua quota parte na construção do diálogo entre grupos económicos, sociais e culturais que integram a região de Trás-os-Montes e Alto Douro. Resta-nos enaltecer o trabalho profícuo, na pessoa do seu Director, o Dr. Armando Mansilha, e de todos quantos empenhadamente colaboram com carinho e dedicação na publicação do nosso Notícias do Douro.

Padre Luís Marçal - É verdade científica que o Homem é um ser naturalmente social. Vive “convivendo”. Pela necessidade de comunicar para viver, os homens foram descobrindo e desenvolvendo ao longo da sua existência modos de expressão, “códigos culturais” próprios correspondentes a tipos diversos de sociedade, a maneira distinta de se relacionar entre si e com o mundo.

Da expressão quase exclusivamente oral própria da vida nómada que levou em tempos primitivos, passando pela linguagem escrita impulsionada pela invenção de Guthemberg, chegou à comunicação computorizada ... à INTERNET!

A imprensa, a rádio, o cinema, a televisão, foram os chamados “meios de comunicação social” que, em pouco tempo fizeram do mundo essa “aldeia global”. Postos ao alcance do homem, estes meios fazem de cada homem um potencial ou activo participante dos dramas, dos problemas, dos projectos, das dificuldades e alegrias de cada povo e de todos os homens. Os M.C.S. abatem barreiras e constróem comunhão. Fabricam concórdia e promovem a paz. Numa palavra: HUMANIZAM.

Estes são alguns dos aspectos positivos. Não quereria salientar os aspectos negativos dos “mass média” como o perigo da massificação, da “colonização dos cérebros”, da despersonalização, do fenómeno da desinformação, da adulteração, destruição ou minimização dos mais elementares valores humanos. Nesta perspectiva os M.C.S. aviltam e escravizam: DESUMANIZAM. Contudo, ao serviço do Homem, eles são uma realidade imprescindível e irrecusável na vida actual, e nem o mundo se pode pensar sem eles. Há 65 anos que o “NOTÍCIAS DO DOURO” faz parte desta realidade. Com os percalços próprios duma longa caminhada, tem cumprido o seu dever como semanário regionalista. Cultor da verdade e aberto às críticas construtivas, não hesita, sem lesar direitos, em vedar a entrada a quem tente intrometer-se para semear a confusão ou alimentar a intriga: está nas mãos de quem sabe, com equilíbrio e serenidade, separar o trigo do joio.

Aproveito esta data festiva para felicitar o “Notícias do Douro” pelo longo trabalho já realizado. Para augurar sucessos sempre maiores ao serviço de todos nós e prestígio de quem sabiamente o dirige e cuidadosamente o elabora. Parabéns.

Padre Ângelo Minhava - No mundo, tudo luz (9 460 000 000 000 de km) ou por aquela outra medida menos aparatosa, mas mais desconcertante: o parsec, que equivale a 3,26 anos-luz, à velocidade de 300 000 km por segundo!... Sim, para o cientista que se empenha em desvendar os mistérios dos cosmos, sessenta e oito anos é menos que um relâmpago, é menos que uma nictação ou piscadela de olhos... Mas para quem sofre, para quem sopesa o fardo da existência, para quem trabalha, é algo de considerável, e representa uma vida! Não acreditam?... Ouça, então, por favor: O mavioso poeta beirão, Tomás Ribeiro, no livro “Sons que passam”, deixou uns versos relativos aos seus “Trinta Anos”. Ao completá-los, considera-se no apogeu da existência, simbolizada por um monte a cujo vértice subiu... Começa depois a descer...

A distância é igual, mas é mais rápida a descida!...

Esta ideia não é original do nosso poeta. E vou provar o que digo: Ao atingir os trinta e cinco anos, no plenilúnio de Março de 1300, cantava Dante, nos umbrais do seu maravilhoso “Inferno”:

“Nel mezzo del cammin di ostra vita
mi ritrovai per uma selva oscura,
che la dirita via era smarrita”.

Tradução literal:
”No meio do caminho da nossa vida
me encontrei por uma selva escura,
porque o caminho direito estava perdido”.

(Divina Comédia).

Ao celebrar os 65 anos de “Notícias do Douro”, não me parece que estas citações científicas e literárias tenham inteira aplicação.

Não conheço os primórdios deste notável hebdomadário (Notícias do Douro), mas creio que tenha sido fiel à estrela que lhe guiou os primeiros passos. A verdade, a justiça, o bem, a paz, o progresso, a verdadeira cultura... não foram certamente para ele palavras vãs. Nem se perdeu “na selva escura”, como diz o vate.

É, portanto, digno de parabéns muito sinceros! Quando, hoje, tantos jornais, tantas revistas, tantos livros se escrevem com lama, veneno e fel, num ceifar e martelar destrutivo de quanto é português e cristão; quando a História Pátria é denegrida, conspurcada, enxovalhada e distorcida por falsários e traidores arvorados em libertadores e heróis; quando rios de sangue bradam aos céus, clamando vingança contra os “responsáveis” irresponsáveis de tanta miséria física e mora -, entrincneirados nas alfurjas, ou empoleirados nos altos postos a que se alcandoraram por habilidade própria e estupidez alheia; quando a impudência e a cobiça transformaram o precioso invento de Gutenberg em ridículo mostruário de ignorância e vaidade fátuas -, urge que as pessoas livres, sãs e dignas, independentemente de credos religiosos ou políticos, se dêem as mãos, para defesa do que ainda nos resta. São duras estas palavras?... A experiências diz-nos que a traição de alguns, perante a cobardia de muitos, pode vir a ser a perda de todos!...

Notícias do Douro, Parabéns. é relativo: 65 anos tanto pode ser muito como pouco tempo. É pouco para o astrónomo, habituado a computar as distâncias pelo ano.

Recordar é viver

Rescaldos soltos dos passados Aniversários do Notícias do Douro

... Ainda hoje, nascem e morrem jornais, que na sua fugaz passagem pela imprensa lusa, mais não deixam que um rasto de servilismo e mercantilismo, tão característicos da moda virica que está a devastar a nossa imprensa: O sensionalismo torpe, capaz até de denegrir as imagem do País a troco de 30 dinheiros. E o mais triste é que são estes oportunistas, que arrecadam rios de dinheiro, que têm todo o tempo de antena deste mundo, que se dizem a nata do jornalismo, e consideram a Imprensa Regional como pacóvia e provinciana, sem no entanto se esquecerem de lhe dar uma vista de olhos, e não raras vezes lá irem colher algumas ideias, que depois cozinham, assumindo-lhes a autoria.

Mas estes pasquins, nunca terão a honra de atingir os 63 anos, pois o lamaçal nunca deu bom alicerce...

... Acendo, gostosamente, 63 círios, para que o “Notícias do Douro” prossiga a signa de despertador incomodativo, acicate formativo, facho “olímpico” informativo, por amor a esta terra que o viu nascer, crescer, viver para que o Hoje desague no Amanhã, melhor e maior!

... O Notícias do Douro está com grande projecção na Região, mas a publicidade comercial ainda é muito modesta e dada a sua penetração e aceitação nos média os comerciantes deviam investir na N.D. para obterem melhores negócios. E segundo sei a tabela apenas está de harmonia com a penetração na Região e número de exemplares semanais. Às vezes o caro sai mais barato...

Há que reflectir no assunto.

... E é este ideal que tem ajudado nas horas mais difíceis.

Este ideal é o próprio Notícias do Douro.

São 70 anos de independências, de luta contra a injustiça, da defesa dos altos valores humanos, da defesa do Mundo Duriense.

O Notícias do Douro nasceu há 63 anos, mas renasce todas as semanas.

É esta sã rebeldia de lutar por um nobre ideal, que não o deixa envelhecer.

Por isso é sempre jovem.

... Hoje,... é um semanário rejuvenescido, tem uma apresentação gráfica invejável e, sobretudo, soube conquistar uma larga influência no seu meio de circulação.

... Com 63 anos, o Notícias do Douro entrou na idade da sabedoria de experiência feita, acumulada ao longo de seis décadas. Como tal tornou-se o paladino de toda uma região que a natureza brindou, o trabalhador embelezou e o poder político/económico ainda não aproveitou. Coevo pelo nascimento da Casa do Douro, a instituição mais representativa da viticultura duriense, o Notícias do Douro, através de uma informação que procurou ser séria e honesta, soube interpretar com imparcialidade os anseios mais profundos das populações que de sol a sol convivem com o Douro, não se deixando enfeudar pelos abutres do poder económico ou político. A sua orientação foi norteada pelo fio-de-prumo da isenção, mau grado a incompreensão, oriunda de alguns sectores de opinião.

Nos últimos anos, em que a lavoura duriense passou por momentos verdadeiramente críticos, não arreceou de chamar a atenção para os reais problemas que infestavam a produção do vinho generoso. O tempo veio a dar razão às suas palavras.

Desde há dois anos a esta parte, num esforço de bem servir, nem sempre compreendido, melhorou sensivelmente de qualidade, quer em termos de conteúdo informativo, quer em termos de apresentação gráfica. Rico na forma e no conteúdo, hoje, o Notícias do Douro permite-nos uma visão alargada da vida do homem duriense que rega com lágrimas de sangue o solo que cultiva. Atento às exigências económicas, culturais e sociais, tornou-se por mérito, próprio o pilar dá informação da nossa região.

Não deseja benesse, não mendiga apoios, roga ser lido. Tem um estilo próprio que nos apraz registar: tom sereno e leal, evitando querelas de linguagem vil e soez. Fala a linguagem da verdade, em tom franco e transparente, como é timbre do homem do Douro.

... Com o desenrolar dos anos fez-se adulto e a sua voz amadurecida e experimentada tem sido veículo de informação segura e actualizada através dos pontos mais distantes do Douro.

Conheceu no seu caminhar a par de alguns dissabores, alegrias imorredouras e hoje já sexagenário não se encontra enfraquecido mas antes com vitalidade redobrada.

Humilde, sem ambições, continua, com o mesmo fervor do seu nascimento...

... teve o mérito de extravasar da sua terra natal, inserindo-se claramente na região do Douro...

Para tanto faz jus de exibir os seus pergaminhos através de Diplomas e ....

  Considerados os relevantes serviços que o Semanário vem prestando de há décadas à Região do Douro, no domínio do jornalismo, decidiu o Capítulo da nossa Confraria mandatar-me para, em Seu nome, transmitir-lhe a grande honra que todos os Confrades sentiriam de poder contar com a sua inclusão na lista de Confrades Honorários, com a designação de “Confrade Mareante”, destinada a entidades que mereçam ser distinguidas pela sua dedicação e serviços prestados ao Sector Vitivinícola Regional .

 

 

Medalha
de
Mérito Jornalístico
pelos relevantes serviços prestados
à
Região do Douro.
Pela capital da vinha e do vinho.


14 de Agosto de 1989

 

Organizou as I Jornadas da Vinha e do Vinho no Douro em colaboração com a UTAD (1989) - Junta-se Diploma na altura concedido;

Participou em 2000 nas Comemorações dos 500 Anos/ Brasil, no IV Congresso Nacional ( APIR) no Rio de Janeiro, Santos, S. Paulo e S. Vicente - Brasil;

Participou no I Fórum Brasileiro de Combate à Corrupção na Administração Pública, em Dez 2004, na capital Brasilia - Brasil;

Promoveu as Jornadas de Estudo ao AnteProjecto da Reforma Institucional do Douro em 2001/2002;

Patrocinou a Obra - Alto Douro Vinhateiro - Património Mundial ( 2003), que foi um sucesso e pela UTAD feita a tradução em Inglês na página www.noticiasdodouro.com ou www.dodouro.pt.

Participou em 2004 no X Congresso Nacional ( AIND ) na cidade de Porto Seguro, Arraial da Ajuda - Brasil;

Participou em 2004 no III Congresso Nacional ( UNIR ) na cidade de Fortaleza em Brasil;

Celebrou protocolo de colaboração com a Universidade do Minho - Economia e Gestão (2005)

É Associado da AIND, e APIR.

Razão pela qual é :

ainda alvo de elogios no III Volume do Dicionário dos Mais Ilustres Transmontanos e Durienses - ano 2002 - da autoria do Dr. Barroso da Fonte .

honrando o passado, que foi digno, nobre e útil

 vamos, consigo, tentar porpocionar-lhe agora e no futuro o melhor .... para todos, para a região, para os durienses e não só ...

 

A História do Jornal
Colaboradores
Douro / Rio
Concelhos
Oportunidades
Roteiro
Transmontanos / Durienses +
Adegas +
Informações Úteis
Última Hora
Notícia Importante
(C) 2005 Notícias do Douro - Produzido por ardina.com, um produto da Dom Digital.
Design: Notícias do Douro. Email do Jornal: noticias.do.douro@iol.pt